Blog

Já pensou em viver em apartamentos compartilhados?

  • 0 Comments /
  • maio 11, 2016 /
  • by acesso /
  • ambientes, apartamento, Dica, Dicas, habitação, ideia, Tecnologia, tendência /
  • Leave a comment

Chamado WeLive, o serviço tem unidades que vão desde estúdios para uma pessoa a apartamentos de quatro dormitórios, capazes de abrigar até oito pessoas.

Depois da criação dos espaços de coworking, que mudaram em muitos aspectos a forma como as pessoas trabalham e as empresas organizam seus escritórios, a WeWork decidiu apostar em um novo conceito de espaço compartilhado: o coliving.

A ideia é a mesma, mas ao invés de alugar um espaço para trabalhar, ela aluga um para morar. O anúncio, feito na última segunda-feira (4), explicou que os residentes podem alugar uma cama ou um quarto privativo em Nova York ou Arlington, nos EUA, as primeiras cidades em que o serviço estará disponível.

De acordo com informações do CNN Money, apenas no prédio de Wall Street já são mais de 200 unidades disponíveis, algumas já ocupadas por pessoas realizando testes do serviço.

Chamado WeLive, o serviço tem unidades que vão desde estúdios para uma pessoa a apartamentos de quatro dormitórios, capazes de abrigar até oito pessoas. Todos os espaços já vêm completamente mobiliados e o aluguel tem preço inicial de US$ 1.375, este para uma cama em uma unidade compartilhada. Além do aluguel, o residente deve pagar uma taxa de US$ 125 mensais para os serviços de limpeza, TV a cabo, lavanderia, internet e outros.

O curioso é que tal como nos espaços de coworking da empresa, as geladeiras sempre estão abastecidas com água Pelegrino, Smart Water e cerveja – e, para incentivar o espírito coletivo, todos os apartamentos têm sala de jantar compartilhadas, mesa de ping pong e, esporadicamente, a empresa oferece jantares gratuitos e eventos no local.

21055_2_L-644x336

Vantagens
O principal diferencial do WeLive é que as pessoas que utilizam o serviço de coliving também podem fazer uso dos espaços de coworking. Na unidade de Wall Street, os seis primeiros andares do prédio são somente para espaços do WeWork, enquanto os demais andares são residenciais do WeLive.

Além disso, o serviço não tem um requerimento que, em Nova York, é muito comum: normalmente, os residentes devem provar que são capazes de pagar até quarenta vezes o preço do aluguem mensal. Ou seja: se o aluguel é de US$ 3 mil, o residente deve ter uma renda maior que US$ 120 mil. Caso contrário, precisam obrigatoriamente de um financiador. No WeLive, essa exigência não existe.

Fonte: InfoMoney

0 Comments